As Conchas de Ruskin

  • Christopher Donaldson
Palavras-chave: Ciência, História natural, Coleções, Estética

Resumo

John Ruskin (1819–1900) formou uma coleção impressionante de conchas ao longo de sua vida.  Durante seus últimos anos de vida, ele expôs alguns dos frutos de seu trabalho em Brantwood, sua residência com vista para o lago Coniston Water, ao noroeste da Inglaterra.  Ruskin estimava suas conchas por sua beleza.  Ele as colocou em um armário de vidro junto com espécimes geológicos, artefatos históricos e obras de arte.  Mas o interesse de Ruskin em sua coleção de conchas não era superficial.  No presente artigo, pondero a respeito do real significado encontrado por Ruskin em suas conchas, tanto marinhas como terrestres, e reflito sobre como seus estudos sobre as conchas mostram princípios de seus escritos sobre arte e arquitetura, bem como sua atitude quanto às ciências naturais.   A fim de definir uma abordagem para essas questões, começo este artigo considerando as opiniões de outros autores que escreveram sobre a beleza e peculiaridade das conchas.  Procuro então contrastar tais apreciações estéticas com as contemplações mais eticamente esclarecidas de Ruskin.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Christopher Donaldson

É professor-pesquisador da Universidade Lancaster desde 2012, envolvido na pesquisa do ERC-funded Spatial Humanities project. Trabalhou na University of Birmingham entre 2014 e 2016. Formou-se nos estados unidos, recebendo seu BA na Penn State University em 2004 e seu PhD na Stanford University em 2012. Sua pesquisa concentra-se nos séculos 18 e 19 no campo da história e cultura. Interessado na mudança das percepções da paisagem e do ambiente durante este período através da produção de guias turísticos, livros topográficos, de artes e literatura. Desenvolve e é líder da pesquisa no The Ruskin – Library, Museum and Research Centre, além de editor da revista The Ruskin Review e co-editor da Digital Forum para o Journal of Victorian Culture.

Referências

BACHELARD, Gaston. La poétique de l'espace, 3rd edn. Paris : Les Presses universitaires de France, 1961.

BIRCH, Dinah. Ruskin and the science of Proserpina. In New approaches to Ruskin. Robert Hewison, ed. London: Routledge, 1981, p.142–56.

BROWNE, Daniel Jay. The field book of manures: or, the American muck book. New York: Saxton, Barker & Co., 1852.

BURD, Van Akin. The Winnington letters. Cambridge, MASS: Harvard University Press, 1969.

DANCE, S. Peter. Ruskin the reluctant conchologist’. Journal of the history of collections, Oxford Journals. n.16.1, p.35–46, 2004.

FREEMAN, Michael. Victorians and the prehistoric: tracks to a lost world. New Haven, CT: Yale University Press, 2004.

HEWISON, Robert. The Mind Revolts: Ruskin and Darwin. The Ruskin review, n.14.2, p.72–85, 2020.

MANHEIM, Ralph. Man and the Sea Shell. In Paul Valéry: an anthology. James R. Lawler, ed. Princeton: Princeton University Press, 1977, p.108–135. Collected Works of Paul Valéry, Bollingen Series n.45.

MANIFOLD, Janet. Time Unfolding: Ruskin to Rovelli (2019) <https://www.janetmanifold.co.uk/writing-category/5d26fb00509d1/Essays> [accessed 12.2.2019].

MEYNELL, Viola, ed. Friends of a lifetime: letters to Sydney Carlyle Cockerel. London: Jonathan Cape, 1940.

O’GORMANN, Francis. Ruskin’s Science of the 1870s. In John Ruskin and the dawn of the modern. Dinah Birch, ed. Oxford: Oxford University Press, 1999, p. 35–55.

PLINY. Naturalis historiae: libri XXXVII. Vol. 3. Karl Mayhoff, eds. Stuttgart: B.G. Teubner, 1967.

RUSKIN, John. The Library edition of the works of John Ruskin. Vol. 8. London: George Allen, 1903.

RUSKIN, John. The Library edition of the works of John Ruskin. Vol. 15. London: George Allen, 1904.

RUSKIN, John. The Library edition of the works of John Ruskin. Vol. 17. London: George Allen, 1905a.

RUSKIN, John. The Library edition of the works of John Ruskin. Vol. 7. London: George Allen, 1905b.

RUSKIN, John. Fors Clavigera, Letter 63. In The Library edition of the works of John Ruskin. Vol. 28. London: George Allen, 1907. p.538–60.

SPEILMANN, W.H. John Ruskin: a sketch of his life, his work, and his opinions, with personal reminiscences. Philadelphia: J.B. Lippincott Company, 1900.

VALÉRY, Paul. L’Homme et la coquille, dessins par Henri Mondor. Paris: Gallimard, 1937.

VALLEMONT, Pierre le Lorrain de. Curiositez de la nature et de l’art sur la vegetation. Paris; Claude Cellier, 1705.

Publicado
2020-12-08
Como Citar
Donaldson, C. . (2020). As Conchas de Ruskin . arq.Urb, (29), 102-110. https://doi.org/10.37916/arq.urb.vi29.477
Seção
Artigos