Arquitetura, Crítica Radical e Revolução no Brasil

Palavras-chave: Mário Pedrosa, Sérgio Ferro, Modernidade, Crítica

Resumo

Desde os anos 1950, tornou-se um lugar-comum nacional assinalar a miséria da crítica arquitetônica no Brasil, como se o magnetismo internacional da arquitetura moderna local tivesse bloqueado qualquer possibilidade de escapar de perspectivas ora apologéticas, ora de censura. Este artigo tem como objetivo traçar uma genealogia da crítica arquitetônica radical no Brasil, conectando alguns desafios intelectuais e políticos ao surgimento, desenvolvimento e declínio (ou persistência) da arquitetura moderna entre nós. Para tanto, retornarei a dois projetos críticos distintos: primeiro, os escritos sobre arquitetura do crítico de arte Mário Pedrosa (1900-1981), que, nas décadas de 1950 e 1960, buscava compreender o lastro cultural da arquitetura moderna no Brasil; em segundo lugar, um discurso mais comprometido profissionalmente, levantado entre os anos 1960 e 1970 pelo arquiteto Sérgio Ferro (1938-), para quem o papel sociotécnico do projeto deveria ser testado diante da modernização material brasileira. Ao fazer isso, espero poder tocar alguns dos dilemas críticos contemporâneos em face da disciplina, sua história e sua atualidade intelectual e política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Tavares Correia de Lira, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP)

Professor Titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Seus livros mais recentes incluem O Visível e o Invisível na Arquitetura Brasileira (2017), Memória, Trabalho e Arquitetura (2013) e Warchavchik: fraturas da vanguarda (prêmio 2011 na 7ª Bienal Ibero-americana de Arquitetura e Urbanismo).

Referências

Andrade, M. de. (1944) Brazil Builds, in: Folha da Manhã, São Paulo, 23. Mar. 1944.

Arantes, O.B.F. (1991). Mário Pedrosa: itinerário crítico. São Paulo: Editora Página Aberta.

Arantes, O.B.F. (1995). Dados biográficos (cronologia), in: Pedrosa, Mário. Política das artes. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, pp. 349-363.

Arantes, P.F. (2002). Arquitetura Nova: Sérgio Ferro, Flávio Império e Rodrigo Lefèvre, de Artigas aos mutirões. São Paulo: Editora 34.

Arantes, P.F. (2004). Reinventing the building site, in Forty, A.; Andreolli, E. (Orgs.). Brasil’s Modern Arquitetura. Londres: Phaidon, pp. 170-201.

Artigas, J.B.V. (1952). Os Caminhos da Arquitetura Moderna, in: Caminhos da Arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2004, pp. 31-50.

Artigas, J.B.V. (1954). Considerações Sobre Arquitetura Brasileira, in: Caminhos da Arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2004, pp. 51-55.

Artigas, J.B.V. (1967). O Desenho, in: Caminhos da Arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2004, pp. 108-118.

Candido, A. (1967) Literatura e cultura de 1900 a 1945, in: Literatura e Sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, pp. 127-160.

Candido, A. (1973) Literatura e subdesenvolvimento, in: Argumento, n. 1, out. 1973, pp. 6-24.

Candido, A. (1995). Radicalismos, in: Vários Escritos. São Paulo: Duas Cidades.

Cappello, M.B.C. (2006). Arquitetura em Revista: arquitetura moderna no Brasil e sua recepção nas revistas francesas, inglesas e italianas (1945-1960). São Paulo, Universidade de São Paulo (Doutorado).

Chakrabarty, D. (2000). “Historicism and the narration of modernity”, in Provincializing Europe. Princeton: Princeton University Press, pp. 27-113.

Costa, L. (1952). Arquitetura Brasileira. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde.

Dedecca, P.G. (2012). Sociabilidade, Crítica e Posição: o meio arquitetônico, as revistas especializadas e o debate do moderno em São Paulo (1945-1965). São Paulo: Universidade de São Paulo (Mestrado).

Ferro, S. (1967). Arquitetura Nova, in: Ferro, S. Arquitetura e trabalho livre. São Paulo: Cosac Naify, 2006, pp. 47-58.

Ferro, S. (1977). II - O Desenho; Almanaque No. 3, pp. 74-101.

Ferro, S. (1979). O Canteiro e o Desenho. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

Ferro, S. (1994). Programa para polo de ensino, pesquisa e experimentação da construção, in: Ferro, S. Arquitetura e trabalho livre. São Paulo: Cosac Naify, 2006, pp. 222-232.

Ferro, S. (1996). Questões de método, in: Ferro, S. Arquitetura e trabalho livre. São Paulo: Cosac Naify, 2006, pp. 233-240.

Ferro, S. (2010). A história da arquitetura vista do canteiro: três aulas de Sérgio Ferro. São Paulo, FAU-USP.

Ferro, S. (2011) História da arquitetura e projeto da história, entrevista a Felipe Contier. Designio, Ns. 11-12, pp. 113-126.

Ferro, S; Lefèvre, R. (1963). Proposta inicial para um debate: possibilidades de atuação, in: Ferro, S. Arquitetura e trabalho livre. São Paulo: Cosac Naify, 2006, pp. 33-36.

Ferro, S; Lefèvre, R.; Império, F. (1965). Arquitetura experimental, in: Ferro, S. Arquitetura e trabalho livre. São Paulo: Cosac Naify, 2006, pp. 37-44.

Fiammenghi, J.B. (2020). Max Bill, a crítica e o ensino de arquitetura no Brasil, 1948-1962. São Paulo, FAU-USP (Trabalho Final de Graduação).

Gabriel, M.F. (2017) Mário Pedrosa e a arquitetura brasileira: autonomia e síntese das artes. São Paulo, FAU-USP (Doutorado).

Goodwin, P. (1943). Brasil Builds: arquitetura new and old, 1652-1942. New York: MoMA.

Junqueira, M. (2009). Poéticas da razão e construção: conversa de paulista. São Paulo: Universidade de São Paulo (Livre Docência).

Koury, A. P. (2003). Grupo Arquitetura Nova: Flávio Império, Rodrigo Lefèvre e Sergio Ferro. São Paulo: Romano Guerra/ Edusp/ Fapesp.

Liernur, J. F. (1999). The South American way; Block No.4, pp. 23-41.

Martins, C. A. F. (1999). Hay algo de irracional…; Block No.4, pp. 8-22.

Mesquita, A.M. (2011). A presença estrangeira em Habitat (1950-54) e Mirante das Artes, Etc. (1967-68), in: Lanna, A.; Peixoto, F.; Lira, J.; Sampaio, M.R.A. (Orgs). São Paulo, os estrangeiros e a construção das cidades. São Paulo: Alameda, pp. 521-542.

Niemeyer, O. (1958). Depoimento; Módulo No. 9, pp. 3-6.

Nobre, A.L. (2008). Fios Cortantes: projeto e produto, arquitetura e design no Rio de Janeiro (1950-1970). Rio de Janeiro: PUC-RJ (Doutorado).

Pedrosa, M. (1933). As tendências sociais da arte e Käthe Kollwitz, in: Política das artes: textos escolhidos I. São Paulo: Edusp, 1995, pp. 35-56.

Pedrosa, M. (1943). Portinari: de Brodósqui aos murais de Washington, in: Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981, pp. 7-25.

Pedrosa, M. (1944). Calder, escultor de cata-ventos, in: Modernidade cá e lá: textos escolhidos IV. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2000, pp. 51-66.

Pedrosa, M. (1947). Pela independência da arte, in: Política das artes: textos escolhidos I. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995, pp. 67-68.

Pedrosa, M. (1952a). Arte e revolução, in: Política das artes: textos escolhidos I. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995, pp. 95-98.

Pedrosa, M. (1952b). Espaço e Arquitetura, in: Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981, pp. 251-254.

Pedrosa, M. (1953a). A arquitetura moderna no Brasil, in: Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981, pp. 255-264.

Pedrosa, M. (1953b). Arquitetura e atualidade. in: Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981, pp. 265-268.

Pedrosa, M. (1957a). Arquitetura e crítica de arte I, in: Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981, pp. 269-271.

Pedrosa, M. (1957b). A crítica de arte na arquitetura, in Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981, pp. 273-275.

Pedrosa, M. (1957c). Arquitetura e crítica de arte II, in: Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981, pp. 277-279.

Pedrosa, M. (1957d). O ponto de vista do crítico, in: Política das artes: textos escolhidos I. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995, pp. 161-164.

Pedrosa, M. (1957e). Reflexões em torno da nova capital, in Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981, pp. 303-316.

Pedrosa, M. (1958a). O depoimento de Oscar Niemeyer - I, in: Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. Aracy Amaral, org., São Paulo: Perspectiva, 1981, pp. 289-291.

Pedrosa, M. (1958b). Utopia – obra de arte, in: Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. Aracy Amaral, org., São Paulo: Perspectiva, 1981, pp. 317-319.

Pedrosa, M. (1959). Introdução à arquitetura brasileira II, in: Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981, pp. 329-335.

Pedrosa, M. (1973). A bienal de cá para lá, in: Política das artes: textos escolhidos I. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995, pp. 217-284.

Ridenti, M. (2010). O fantasma da revolução brasileira. 2a. ed. São Paulo: Ed. Unesp.

Schwarz, R. (1994). Pelo prisma da arquitetura, in: Sequências Brasileiras. São Paulo Companhia das Letras, 1999, pp. 199-204.

Schwarz, R. (1978). Cultura e Política, 1964-1969, in O Pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, pp. 61-92.

Scott, G. (1914). The Arquitetura of Humanism: a study in the history of taste. Boston: Houghton Mifflin Company

Silva, N. M. da (2017). As revistas Acrópole e Habitat e a consolidação da Arquitetura Moderna Brasileira (1950-1956). São Carlos, SP, IAU-USP (Mestrado)

Stuchi, F.T. (2007) Revista Habitat: um olhar moderno sobre os anos 50 em São Paulo. São Paulo, FAU-USP (Mestrado)

Tinem, N. (2006). O Alvo do Olhar Estrangeiro: o Brasil na historiografia da arquitetura moderna. João Pessoa: Ed. Universidade Federal da Paraíba.

Vasconcelos, S. de (1957). Critica de arte e arquitetura; AD No. 24.

Xavier, A. (2003). Depoimento de uma geração. São Paulo: Cosac Naify.

Zein, R. V. (2005). A arquitetura da escola paulista brutalista 1953-1973. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Doutorado).

Publicado
2020-12-08
Como Citar
Lira, J. T. C. de. (2020). Arquitetura, Crítica Radical e Revolução no Brasil. arq.Urb, (29), 20-30. https://doi.org/10.37916/arq.urb.vi29.484
Seção
Artigos