O tempo e a forma: a configuração de núcleos urbanos a partir da transformação do parcelamento agrícola. Estudo de caso: Colônia de Caxias/RS

Palavras-chave: Forma urbana, Colônias agrícolas, Parcelamento da terra

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de analisar o processo de transformação do parcelamento agrícola em urbano da Colônia de Caxias/RS. Tendo em vista a necessidade de povoar as extensas áreas de terras disponíveis no século XIX, houve a criação de imperiosas políticas governamentais que facilitaram o acesso da população estrangeira ao Rio Grande do Sul. A Lei de Terras de 1850, ou Lei nº 601 de 18 de setembro de 1850, dispunha de regulamentações que normatizavam o modo de inserção do colono em terras nacionais, a distribuição de terras públicas e a transformação da terra em mercadoria. A metodologia adotada para este trabalho estrutura-se no levantamento e análises de fontes documentais primárias, como mapas, decretos e relatórios de época. Conjuntamente à sistematização desses dados destaca-se a bibliografia pertinente a temática. O artigo é de caráter exploratório e qualitativo. Além do objetivo geral supracitado, destacam-se como objetivos específicos: compreender o processo, mapear o parcelamento e o saber erudito do responsável pelo traçado urbano. Como resultado alcançado, pondera-se que a ortogonalidade empregada na sede de Caxias tinha como objetivo central facilitar o comércio dos lotes, rurais e urbanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dirceu Piccinato Junior, Faculdade Meridional

Doutor em Urbanismo e Docente do Programa de Pós-Graduação Stricto sensu em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade Meridional - IMED.

Kátia Savaris Dametto, Faculdade Meridional

Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade Meridional - IMED. 

Publicado
2020-08-03
Como Citar
Piccinato Junior, D. ., & Savaris Dametto, K. . (2020). O tempo e a forma: a configuração de núcleos urbanos a partir da transformação do parcelamento agrícola. Estudo de caso: Colônia de Caxias/RS . arq.Urb, (28), 109-123. https://doi.org/10.37916/arq.urb.v28i.401
Seção
Artigos