Um estudo sobre a evolução cronológica e intervenções realizadas no convento de Igarassu

Palavras-chave: Arquitetura franciscana. Restauração. Patrimônio.

Resumo

Este artigo trata das intervenções no Convento Franciscano de Santo Antônio localizado em Igarassu, no estado de Pernambuco (Brasil). Tais intervenções ocorreram a partir de seu tombamento, em 1938, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), criado em 1937. Seu objetivo é caracterizar a evolução arquitetônica do Convento de uma maneira análoga a um prontuário médico, além de, analisar as intervenções documentadas sob a ótica das teorias da restauração, contextualizadas à época de suas execuções. A pesquisa se baseou na revisão bibliográfica de autores consagrados da teoria da restauração e em documentação textual e iconográfica disponíveis nos arquivos do IPHAN do Rio de Janeiro e de Pernambuco que, contudo, carecem de registros atualizados sobre os monumentos inscritos na lista de nosso patrimônio. O estudo foi complementado com informações obtidas em visitas a campo. Dessa forma se elaborou um breve histórico crítico sobre a “vida” desse convento, que auxiliou na construção da trajetória do bem em questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Moraes Guzzo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Arquiteta e Urbanista graduada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FAU UFRJ, 1991). Mestre em História e Teoria da Arquitetura pelo Programa de Pós-graduação em Arquitetura (PROARQ FAU UFRJ, 1999). Doutora do PROARQ FAU UFRJ (2020). Ênfase nos temas: história da arquitetura, arquitetura religiosa. Possui segunda Graduação em Medicina, pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ (1975).

Referências

BAZIN, Germain. A arquitetura religiosa barroca no Brasil. Tradução de Gló-ria Lúcia Nunes. Rio de Janeiro: Record, 1983, 2v.

BELO, Albertina Marques Pires. As ordens terceiras de São Francisco na Zona da Mata: implantação da Província Franciscana de Santo Antônio do Brasil ao longo dos séculos XVII e XVIII. Tese (Doutoramento em História) - Faculdade de Ciências Humanas/Universidade Lusíada de Lisboa, Lisboa, 2013, 3 v.

BOITO, Camillo. Os Restauradores. Tradução de Beatriz Mugayar Kühl. São Paulo: Ateliê Editorial, 2016.

BRANDI, Cesare. Teoria del Restauro. Editora Enaudi, 2000.

CARBONARA, Giovanni. Brandi e a restauração arquitetônica hoje. Tradução de Beatriz Mugayar Kühl. Desígnio, 2006, n. 6, p. 35-47.

CUNHA, Cláudia dos Reis e. Restauração: diálogos entre teoria e prática no Brasil nas experiências do IPHAN. São Paulo, 2010.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O Patrimônio em Processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro; UFRJ: IPHAN:1997.

GIOVANNONI, Gustavo. Textos Escolhidos. Tradução de Renata Campello Cabral. São Paulo: Ateliê Editorial, 2013.

JABOATÃO, Frei Antônio de Santa Maria. Novo orbe seráfico brasílico ou Crônica dos frades menores da Província do Brasil. Typ. Brasiliense de Ma-ximiano Gomes Ribeiro, Lisboa, 1858, 4v.

KÜHL, Beatriz Mugayar. A restauração de monumentos históricos na França após a Revolução Francesa e durante o século XIX: um período crucial para o amadurecimento teórico. Revista CPC, São Paulo, n. 3, p. 110-144, nov. 2006/abr.2007. Disponível em: <http://citrus.uspnet.usp.br/cpc/v1/imagem/conteudo_revista_conservacao_arquivo_pdf/n3_beatr.pdf >. Acesso em: 20/08/2019.

ROWER, Frei Basílio. Páginas da história franciscana no Brasil. Petrópo-lis/RJ: Vozes, Rio de Janeiro, 1941.

SILVA, Maria João Espírito Santo Bustorff. (coord.) Igreja de Santo António de Igarassu. Conservação e Restauro. Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva. Lisboa: Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva, 2000.

VIOLLET-LE-DUC, Eugène Emanuel. Restauração. Tradução de Beatriz Muga-yar Kühl. São Paulo: Ateliê Editorial, 2006.

Publicado
2021-04-07
Como Citar
Guzzo, A. M. M. (2021). Um estudo sobre a evolução cronológica e intervenções realizadas no convento de Igarassu. arq.Urb, (30), 29-40. https://doi.org/10.37916/arq.urb.vi30.428
Seção
Artigos