Do Funcional ao Simbólico. O que pensam os pares do Campo do Design e o que ensinam nas salas de aula.

  • Alberto Cipiniuk
Palavras-chave: Campo do Design, identidade social dos pares, Universo simbólico

Resumo

Este breve artigo em forma de ensaio relata os resultados de uma pesquisa financiada pelo CNPq sobre o porquê da passagem da dimensão funcional para a simbólica entre as instâncias de legitimação do Campo do Design. Empregando as teorias sociais de Marx e Bourdieu, identificamos o que se pode chamar de identidade dos agentes do campo especialmente no âmbito do Departamento de Artes e Design da PUC-Rio, mas que por homologia, pode ser ampliado para a categoria como um todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. 3a ed. Lisboa: Editorial Presença - Martins Fontes, 1980.
APPADURAI, Arjun. A vida Social das Coisas. Rio de Janeiro, EDUFF, 2015.
BOURDIEU, Pierre. Vocabulário. Catani, Afrânio Mendes et alii. (Orgs.) Belo Horizonte: Autêntica, 2017.
DOWBOR, Ladislau. A era do capital improdutivo. A nova arquitetura do poder, sob a dominação financeira, sequestro da democracia e destruição do planeta. São Paulo: Autonomia Literária, 2017.
FORTY, Adrian. Objetos do Desejo. Design e Sociedade desde 1750. São Paulo: Cosac & Naify, 2007.
LESSA, Washington Dias. Objetivos desenvolvimento e síntese do projeto de design: a consciência do método. In.: WESTIN, Denise et COELHO, Luiz Antonio. Estudo e prática de metodologia em design nos cursos de pós-graduação. Rio de Janeiro: Novas Ideias, 2009.
MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas. Estudo antropológico sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
MUNARI, Bruno. Das coisas nascem as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
SOUZA, Jessé. A classe média no espelho. Sua história, seus sonhos e ilusões, sua realidade. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2018.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
Cipiniuk, A. (2020). Do Funcional ao Simbólico. O que pensam os pares do Campo do Design e o que ensinam nas salas de aula. arq.Urb, 27. https://doi.org/10.37916/arq.urb.v27i.409
Seção
Artigos