A Marchadeira das famílias bem pensantes: a pintura de Flávio Império entre o máximo e o neutro teatral

Palavras-chave: Flávio Império, Pintura, Ditadura militar

Resumo

Este artigo parte da pintura A Marchadeira das famílias bem pensantes, realizada por Flávio Império em 1965, para perscrutar a maneira com que o artista elabora a crítica à ditadura militar por meio de seu trabalho. Para isso, retoma brevemente o termo Pintura Nova, e seus significados dentro da parceria com Sérgio Ferro e Rodrigo Lefévre, como uma instrumento de conhecimento da realidade, moldado a partir de seus elementos.  Depois, levanta os comentários de Flávio Motta e Mário Schemberg na recepção crítica da obra do artista. E, por fim, a partir de textos do próprio Flávio Império sobre sua atividade de cenógrafo, aproxima a pintura das noções de sistema móvel, neutro e máximo teatral, influenciadas pela leitura que Anatol Rosenfeld faz de Bertold Brecht. O objetivo é aproximar as reflexões do artista à época entendendo sua pintura também como uma forma de elaboração dessas questões, tal como a arquitetura e a cenografia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yuri Fomin Quevedo

Professor de História da Arte na Escola da Cidade. Possui mestrado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (2019). Graduou-se em Arquitetura e Urbanismo pela Escola da Cidade (2014). Atua como professor, pesquisador, curador de exposições e livros.

Referências

BELLUZZO, Ana Maria. Voltolino e as raízes do modernismo. Dissertação de mestrado. São Paulo: Escola de Comunicação e Artes (ECA-USP), 1980.

BOAL, Augusto. Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2005.

COSTA, Iná Camargo. Um enredo para Flávio Império. In: Flávio Império/ Renina Katz e Amélia Hamburger (org.). São Paulo: Edusp, 1999.

FERRO, Sérgio. Os limites da denúncia. In: Rex Time. São Paulo: março/1967.

________. Arquitetura e Trabalho livre. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

IMPÉRIO, Flávio. Uma Boa Experiência. O Melhor Juiz, O Rei/ programa da peça. Teatro de Arena de São Paulo, 1963. Disponível em: Flávio Império (website), www.flavioimperio.com.br. (último acesso: 02/07/2020).

________. A pintura nova tem a cara do cotidiano. Documento datilografado e não publicado, c. 1966. Disponível em: Flávio Império (website), www.flavioimperio.com.br. (último acesso: 02/07/2020).

PECCININI, Daisy. Figurações: Brasil anos 60. São Paulo: Edusp e Instituto Itaú Cultural, 1999.

QUEVEDO, Yuri Fomin. Entre Marchadeiras, Mãos e Mangarás: Flávio Império e as Artes Plásticas. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 2019.

ROSENFELD, Anatol. O Teatro Épico. São Paulo: Editora Buriti, 1965.

________. Brecht e o Teatro Épico. São Paulo: Perspectiva, 2012.

SESTINI, Dharana. A “mulher brasileira” em ação: motivações e imperativos para o golpe militar de 1964. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, 2008

SCHEMBERG, Mário. Cinco arquitetos pintores. In: Pensando a arte. São Paulo: Nova Stella, 1988, pp. 187-189.

Publicado
2020-12-08
Como Citar
Quevedo, Y. F. . (2020). A Marchadeira das famílias bem pensantes: a pintura de Flávio Império entre o máximo e o neutro teatral. arq.Urb, (29), 78-86. https://doi.org/10.37916/arq.urb.vi29.478
Seção
Artigos